Archive for the ‘Comidas e bebidas’ Category

Bolinho de Arroz

Eu gosto de bolinho de arroz

A primeira pessoa que me ensinou a fazer bolinhos de arroz, foi Dona Tânia.Eu tinha dezoito anos e eu era a empregada, não sabia cozinhar, mas fazia todo o serviço. Dona Tânia ficou grávida e pediu para que eu cozinhasse, pois ela não podia ficar muito  tempo em pé.

Bem ou mal eu aprendi com ela a fazer Bolinhos de Arroz.Aproveitando sobras, é aproveitando aquele restinho que sobrou do almoço, para servir na “janta”.

Qual Empregada Doméstica que se preza não sabe fazer Bolinhos de Arroz?!

Eu adoro, o bem simples, sem adição de queijo ralado e afins.O segredo? não tem segredo, apenas o prazer de comer quando se está com fome!

 

bolinho de arroz.

Estava um sába…

Estava um sábado muito quente, de manhã ventava, areia, folhas das plantas.Toda hora eu tinha que varrer a porta da garagem para retirar a areia do chão, pois, ao pisar eu escorrego.

Depois de tanto trabalho de limpar o quintal. o tempo virou e está chovendo.

Vento e areia, vento e mais areia.

Semana última de setembro de 2012.

b

Bolo olho de sogra.

Feijoada yes!

                        Feijoada à minha moda*_por Vinícius de Moraes-Autor.
 
                        Amiga Helena Sangirardi
                        Conforme um dia eu prometi
                        Onde, confesso que esqueci
                        E embora — perdoe — tão tarde
 
 
 
                       (Melhor do que nunca!) este poeta
                       Segundo manda a boa ética
                       Envia-lhe a receita (poetica)
                       De sua feijoada completa.
 
 
                       Em atenção ao adiantado
                       Da hora em que abrimos o olho
                       O feijão deve, já catado
                       Nos esperar, feliz, de molho.
 
 
 
 
                        E a cozinheira, por  respeito
                        A nossa mestria na arte
                        Já deve ser tacado peito
                        E preparado e posto à parte
 
 
                        Os elementos componentes
                        De um saboroso refogado
                        Tais: cebolas, tomates, dentes
                        De alho — e o que mais for azado
 
 
 
                        Tudo picado desde cedo
                        De feição a sempre evitar
                        Qualquer contato mais… vulgar
                        Às nossas nobres mãos de aedo
                  
 
 
                        Enquanto nós, a dar uns toques
                        No que não seja a contento
                        Vigiaremos o  cozimento
                        Tomando o nosso uísque on the rocks.
                       
 
 
                       Uma vez cozido o feijão
                       (Umas quatro horas, fogo médio)
                       Nós bocejando o nosso tédio
                       Nos chegaremos ao fogão
                     
 
 
                      E em elegante curvatura:
                      Um pé adiante e o braço às costas
                      Provaremos a rica negrura
                      Por onde deve boiar postas
                      
                    
 
                     De  carne – seca suculenta
                    Gordos paios, nédio toucinho
                    (Nunca orelhas de bacorinho)
                    Que a tornan em excesso opulenta!
 
 
                   
                    E — atenção! — segredo modesto
                   Mas meu, no tocante à feijoada:
                   Uma língua fresca pelada
                   Posta a cozer com todo o resto.
 
 
                  Feito o quê, retira-se o caroço
                  Bastante, que bem amassado
                  Junta-se ao belo refogado
                  De modo a ter-se um molho grosso
                 
 
 
                Que vai de volta ao caldeirão
                No qual o poeta, em bom agouro
                Deve esparzir folhas de louro
                Com gesto clássico  e pagão.
               
 
 
                 Inútil dizer que,entrementes
                 Em chama à parte desta liça
                 Devem fritar, todas contentes
                 Lindas rodelas de lingüiça
                    
 
 
                Enquanto ao lado, em fogo brando
                Desmilingündo-se de gozo
                Deve também se estar fritando
               O torresminho delicioso
         
 
 
               Em cuja gordura, de resto
              (Melhor gordura nunca houve!)
               Deve depois frigir a couve
               Picada, em fogo alegre e presto.
 
 
 
              Uma farofa? — tem seus dias…
              Porém que seja na manteiga!
              A laranja gelada, em fatias
             (Seleta ou da Bahia) — e chega.
             
 
 
              Só na última cozedura
              Para levar à mesa, deixa-se
              Cair um pouco de gordura
              Da lingüiça na iguaria — e mexa-se.
 
 
 
              Que prazer mais um corpo pede
              Após ter comido um tal feijão?
              —- Evidentemente uma rede
              E um gato para passar a mão…
 
 
 
             Dever cumprido. Nunca é vã
             A palava de um poeta… —jamais!
             Abraça-a, em Brillat-Savarin
            O seu Vinicius de Moraes.
                                                              Petrópolis, 1962

                 Feijoada clássica ( para 4 pessoas)
Receita:
1 Kg de feijão preto, ( escolhido e lavado)
1 Kg de carne-seca,cortada em pedaços médios, limpa- se gorduras, retira-se o sebo todo,e coloca-se de molho
1/2Kg de língua salgada,deixada de molho separadamente em uma bacia com bastante água.
1/2Kg de paio
1/2kg de lingüiça de porco  fresca
——————————————————————————————————————————————–
Modo de preparo:
    Em um caldeirão grande, coloca-se o feijão preto, cubra com água suficiente
    Em outra panela,escalde: a carne-seca
    Coloque a língua em  uma panela(pode ser panela de pressão) e afervente, até que a pele solte facilmente( retire a pele com uma faca
    No caldeirão de feijão, coloca-se a carne-seca, a língua limpa, o paio,a lingüiça fresca, folhas de louro
    Leva-se ao fogo o caldeirão, verificando  se a água cobre todas as carnes
    Cozinha-se por quatro horas,mexendo de vez em quando
    Assim que estiverem macias as carnes e o feijão cozido,tempera-se com um bom refogado:
Refogado-ingredientes:
1 cebola grande bem picadinha
6 cabeças de alho espremidos
    Em uma frigideira,coloca-se óleo suficiente apenas no fundo, doure o alho primeiro, para ficar saboroso,adicione a cebola  e frite
   Com uma concha pega-se  um pouco do feijão e joga-se no refogado, esmagando muito bem
   Leva-se de volta para o caldeirão( o refogado) e mexa,prove o SAL, cuidando para não salgar demais
     pimenta à gosto<pimenta-do-reino-calabreza, ou pimenta vermelha>
 Para acompanhar a feijoada usa-se:   arroz branco,a couve-mineira, laranjas,ou molho vinagretes( feito com tomates picados, cebola picada, cheiro-verde, tudo bem picadinho, e temperado com sal, limão, azeite, e pimentas à gosto
  Modo de fazer a couve mineira:
 1 maço de couve-mineira,lavada
 2 dentes de alho espremido
 Enrola-se as folhas de couve, aperta-se na mão,e vá picando,bem rente,ou faça isso na tábua.
 Aquece-se o óleo suficiente no fundo de uma frigideira larga, doura-se o alho
Jogue a couve e rapidamente refoga-se´, apenas para "murchar" e secar a água
                
                     Modo de fazer o arroz
      2 xícaras de(chá) de arroz
      6 xícaras de água fervente
      2 dentes de alho espremidos
      Em um panela média,aquece-se com 3 colheres de(sopa) de óleo
      Doure o alho,mexendo sempre, adicione o arroz,lavado e escorrido
      Refoga-se por 5 minutos,mexendo,adiciona-se a água fervente,deixe a panela semi tampada, para o vapor sair e o arroz ficar soltinho, o resultado é um arroz,soltinho
      Assim que a água seca, tampa-se a panela abaixa-se a chama do fogo  por mais ou menos 10 minutos.
      Abra a panela e solto o arroz com um garfo
                                                                                      Bom apetite!
     

 
 
 
                                                         
 
                  
 
                      

Caipirinha yess!

Fazer Caipirinha não requer nenhuma arte.Apenas respeite os ingredientes.
 
1limão- galego( deve ser o galego)
2 colheres de (sopa) de açúcar
50ml de aguardente(pinga)
 
Modo de preparar:
Em um copo pequeno, adicione o limão galego cortado em quatro partes.
Esmague com o um socador próprio( é um pauzinho de madeira roliço), vá juntando o açúcar para desprender bem o sumo.
Adicione a pinga e gelo a gosto no copinho.
                              
é deliciosa!
%d blogueiros gostam disto: